quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

"Já não consigo viver sem ti"

“Não o leia agora.”

Foram as últimas palavras que Marga Gil Roësset disse a Juan Ramón Jiménez, na casa desse premiado poeta espanhol, na rua Padilla, em Madri, enquanto deixava uma pasta amarela sobre a mesa de trabalho dele.

Continha a revelação do seu amor impossível por ele, que a havia levado a uma decisão fatal

Agora, 83 anos depois do suicídio de Marga Gil e da vontade de Juan Ramón Jiménez (JRJ), esse desejo do poeta se torna realidade.

Chama-se Marga. Edición de Juan Ramón Jiménez




LEIA  MAIS >>>http://brasil.elpais.com/brasil/2015/01/27/cultura/1422383194_216666.html


Um comentário:

  1. Sueto, e histórias assim se repetem inda hoje! Não há culpados.
    Comovente o que houve com Marga, Zenobita e Juan... [FLAM]

    ResponderExcluir