domingo, 23 de janeiro de 2011

The Story of Archie and Spotty

Recebi hoje uma carta de Konni em que relata sua convivência com Archie e Spotty. Chamei Sueto para acompanhar a leitura da carta. Estava bem desperta lambendo o pelo. Tem boa lembrança de Konni que, em sua visita, a pegou no colo e, até por isto, ficou muito interessada em conhecer os “gatos” ingleses. Eis a carta:
"The black cat is called "Archie" and the bigger one "Spotty".
Archie always does what he wants and only cuddles if it fits with his mood, while the older bigger cat is always after affection and love (and extra food of course) and he only annoys me when he catches a bird from my garden and brings it to my door, he gets no applause for that as I love the birds too.....Last summer they both injured a very young dove whose mother disappeared for whatever reason, so I drove 1 hour to the nearest wildlife-hospital to have the dove cared for , am I mad? Maybe, but my neighbours 2 small kids (2 and 3 years old) have found the dove and wanted desperately to help, so after trying to put the bird higher up on a shed roof without success as it came down again and having not being able to feed it overnight in my conservatory (away from the cats ) I had to drive to the hospital with this bird and the kids came along and were very happy. Since that event both kids are not so sure anymore how lovely a cat can be, but of course they are and we as adults appreciate the different layers of a cats character. Archie is very clean in my garden and only shits on my compost but not on my flowerbeds-how nice of him!! They are both fascinated by the presence of my parrot and haven't figured out yet that he will not be for eating. My parrot can't see the danger and greets the cats everytime with his "good girl" speech....Now you may say why "girl" as both cats are male, that is because of the german word for cat is "die Katze"-alas female and that sticks with me. Can't get used to the english way of referring to animals like cats as "IT" instead of "he" or "she" like in the german language, they are living creatures and not things!! How is that in portuguese?"
Konni

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Donas da Casa

Ter gatos é uma constante atenção para que não tomem conta da casa.
Sueto e Faluja tem seus lugares próprios para ficarem, duas cadeiras com almofadas, mas permanentemente estão procurando ocupar outros espaços.
Nunca ocupar os lugares que lhes destinam é uma característica de todos os gatos.
Mas também parece ser, igualmente, insistir em ocupar lugares que não lhes estão destinados.
A Sueto e a Faluja, por exemplo, há algum tempo escolheram dois sofás que ficam na sala.
Cada uma um sofá diferente.
Como estão destinados ao uso humano, sempre procuro fazê-las entender e as retiro.
Mas parece não adiantar.
Mal viro as costas e, pronto, elas estão de volta.
Ficam espreitando para ver se me afasto ou se deixo a porta aberta.
Esta tarde, quando saí, foi o que aconteceu.
Ao retornar deparo-me com o quadro bem ilustrado nas fotos onde, embora flagradas no ato, a naturalidade com que encaram a câmera bem demonstra a segurança e o controle que têm da situação.
Como estou cansado até desisto de retirá-las.
Isto parece inevitável. Os gatos quando não nos ganham doutra forma, acabam nos vencendo no cansaço.

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Gatinhas

Tenho me surpreendido com o número de admiradores que a Sueto tem conquistado. De todos os lugares, de outras cidades, outros estados e países.
Na foto, posando para o seu blog, a Bruna e a Panqueca.
Mostrei a foto para a Sueto ( tive que despertá-la de seu cochilo) e ela pareceu não dar muita importância para a gata. Acho que já expliquei isto anteriormente, a Sueto é muito egocêntrica para dar importância a outros gatos e embora tenha mudado bastante este comportamento, ele continua muito presente.
Com as pessoas é diferente. Ela gosta de se aproximar, de se sentir uma delas.
Por isto, sem dar atenção à Panqueca, quis saber quem era a Bruna, o que fazia, onde morava.
Expliquei-lhe tudo, que é estudante de Arquitetura e filha de uma amiga minha que mora em Santa Catarina.
Pareceu-me satisfeita mas pode ter sido só na aparência.
Em seu íntimo a Sueto ficou com ciúmes, ciúmes de não ser ela que está sendo segura junto ao rosto com tanto carinho, recebendo tanta atenção.
Tal fraqueza, no entanto, obviamente não vai me confessar .
Por isto. sem aparentar maior interesse, voltou para o seu cochilo.