quarta-feira, 14 de março de 2012

Sueto e James ( II )

O interlóquio de Sueto com James não ficaria completo sem a sequência. 
Decepcionada com a porção de patê de atum que  lhe foi concedida, Sueto analisa a situação e decide voltar aos canais tradicionais.
Volta-se para a sua esquerda onde se encontra Giacomo.
Com ele pode, então, recorrer a métodos mais persuasivos.
Olhando as fotos pode-se acompanhar quais são.


"Com estes dois  não vou conseguir nada"
"Vou me garantir por aqui..."
Cena Final.
Sueto, polidamente como é de seu feitio, mas com firmeza, requer com Giacomo sua participação no botim.
Sueto, com um leve toque da pata, pede patê.

Sueto and James

James, o patê de atum e Sueto
Sueto subiu na cadeira que tem junto à mesa e sentou-se ao lado de James.
- Como vai a Rainha? , perguntou.
James virou-se para o lado e ficou surpreendido de ver Sueto olhando fixamente para ele. Já ouvira dizer que há animais que se comunicam mas era a primeira vez que se deparava com um deles. 
- Bem, quero dizer, acho que vai  bem.
- Você não fala com ela?
- Falar? Não, as pessoas comuns não falam com  a Rainha.
-E você é uma pessoa comum?
- Bem, acho que sou. Quero dizer, isto depende. Para algumas pessoas, meus amigos, colegas, sou uma pessoa legal.Para a Gabi devo ser quase perfeito. 
- Legal quer dizer o quê? Que anda dentro da lei?
- De certa forma...Do contrário estaria preso, completou com um sorriso.
Neste momento Sueto ficou pensando se a resposta de James seria humor inglês.
Mas prosseguiu.
- Está querendo dizer que no Reino Unido quem não anda dentro da lei vai preso?
- Sim, acho que sim...Bem, pode haver exceções.
- Pois no Brasil isto é a regra.
- Ir preso?
- Não , ficar solto.
- Está querendo me dizer que no Brasil não há leis?
- Não, leis há demais. Mas só se aplicam a alguns. Ouvi falar que gatos, por exemplo, nunca são presos. Estes gatos recebem até um nome especial, são gatunos. Isto me deixa tranquilo, é uma das razões pelas quais gosto de morar no Brasil.
- E não gostaria de ir à Inglaterra?
- Não sei. Talvez para ver a Rainha. Gosto de ver estátuas.
James, ao ouvir esta observação, ficou sem saber se tinha entendido.
Não era exatamente um defensor da Rainha nem da família real, mas precisava se certificar do que Sueto queria dizer. Por isto retrucou.  
- Mas a Rainha não é uma estátua.
- Eu sei, pelo menos não no sentido usual do termo.
James novamente ficou em dúvida quanto ao significado do que Sueto dizia. Isto nem sempre é muito fácil em se tratando de gatos.
- Pardon... disse "sentido usual"?
- Sim, porque as estátuas ficam imóveis e a Rainha anda. 
E enquanto James pensava se respondia, Sueto continuou.
Será que a Rainha gosta de gatos?
- Pois não sei.
Queria também ver o Homer... E conhecer o Larry.
-Larry?
-Sim, não conhece?
- Acho que não.
- Larry mora em 10 Downing Street. 
Foi adotado do Battersea Cats Home
- Veja só, não sabia.
- Pois é, mas o detalhe é que o adotaram para pegar ratos. Não imaginava que houvesse ratos   em Downing Street...
- Bem, acho que às vezes aparecem alguns.
- E são grandes?
- Enormes... quero dizer, pelo menos considerando o tamanho de um gato
- São do tamanho de um gato!
- Sim, podem ser bem maiores. 
- Então é por isto que escolheram Larry. Segundo consta em seu currículo ele tem um "strong pedratory drive".
- Então, neste caso, deve servir.
Sueto no seu lugar à mesa
Neste ponto, Sueto fêz uma pausa. James continuava comendo o pão com patê de atum e Sueto não se conteve.
 -Está bom este pão?
- Sim, muito bom, quer um pedaço?
- Não, não ... Mas aceito lamber um pouco de atum.