segunda-feira, 20 de março de 2017

POR UM OUTRO FEMINISMO - ATRIZES FAMOSAS FOTOGRAFAM SEM MAQUIAGEM E SEM PHOTOSHOP

Carolina Dieckmann 
Chega! Cansadas, elas deram um basta na ditadura da beleza e se mostram como verdadeiramente são no projeto “Essa Minha Mulher”, idealizado pelo fotógrafo Elvis Moreira em parceria com o produtor teatral Léo Fuchs. A dupla reúne registros em preto e branco em um site (www.essaminhamulher.com) que destaca a sensualidade de famosas sem Photoshop, maquiagem e cachê.
“A beleza perfeita não existe e as pessoas se identificam com o que é de verdade. O sensual é tudo aquilo que a gente não vê”, avalia Moreira, que posta uma foto por dia (no Instagram), com uma legenda escolhida pela modelo.
Segundo Fuchs, elas costumam ser fotografadas em casa “para captar a essência”: “A ideia é mostrar as mulheres que elas são e que muitas vezes escondem. Ainda queremos lançar um livro e uma exposição [com as fotos]”.
Deborah Secco está entre as clicadas em momentos de intimidade e admite já ter cometido loucuras na busca pela perfeição. Mais madura, aos 36 anos, está aprendendo a se aceitar como é.
“Fiz dietas malucas, passei fome, coloquei silicone, quis ter as pernas mais grossas… Hoje vejo que tudo isso foi bobagem. A sociedade fez com que, nós mulheres, fôssemos tentando nos enquadrar em um padrão cruel e impossível de beleza. Temos que nos amar como somos. E somos reais!”, pontua a atriz.
Com Preta Gil, as consequências por tentar seguir esse modelo padronizado foram físicas e psicológicas: “Eu sempre me amei, mas quando engordei, aos 22 anos [ela tem 42], senti na pele o preconceito com as mais cheinhas. Caí na armadilha e emagreci muito, com o uso de remédios, lipo… Depois desse processo, entrei em depressão. Quando me libertei, engordei e passei a me sentir mais eu, feliz e de verdade”.
O fato de aparecer “sem holofote, como se o espectador pudesse ver através do buraco da fechadura”, foi o que motivou Carolina Dieckmann a embarcar nessa. Sem neuroses, ela diz que não se deixa levar por pressão.
“Eu sempre gostei de ser magrinha porque acho mais bonito. Mesmo quando a moda vai nessa maré da mulher gostosa, musculosa, eu nado contra”, diz ela, recentemente criticada por estar “seca” demais.
FONTE:http://www.osul.com.br/mulheres-famosas-finalmente-se-deixaram-fotografar-sem-photoshop-e-sem-maquiagem/

segunda-feira, 13 de março de 2017

Elisabeth Badinter, investigando o papel da mulher

Elisabeth Badinter é uma das autoras dedicadas ao tema do feminismo mais respeitadas, autora, entre outros livros, de "O Mito do Amor Materno" uma referência hoje fundamental sobre o tema. Desenvolve uma linha própria e, em alguns aspectos ( ou vários) diferenciada do que, comumente, se considera o pensamento feminista predominante e tido, talvez de forma apressada, como "oficial".
Em algumas questões suas posições são particularmente desafiadoras como ao criticar o que denomina de "feminismo de vitimização".
Segunda a pensadora, "a fabricação da mulher vítima, pela qual, por ser mulher ela forçosamente é vítima, acho que é um desastre".
Seu pensamento, portanto, merece ser considerado ao menos por problematizar formas de teorizar o feminismo e por provocar, pelo seu olhar crítico, um entendimento talvez menos apressado, mais amadurecido.


sexta-feira, 3 de março de 2017