quinta-feira, 7 de junho de 2018

GUILHERMINA ( MINA)

Mina, a gatinha que convive na pousada da Gata Sueto, deve seu nome à Guilhermina Augusta Xavier de Medin Suggia (  1885, Porto - 1950 ,Porto)  célebre violoncelista portuguesa que  revolucionou o instrumento em técnica, posição e sonoridade.

Abriu as portas profissionais do violoncelo às mulheres, até então quase fechadas. De fato, o considerável gasto de energia exigido para manejar a envergadura do violoncelo, acrescido do fato de as boas maneiras da época obrigarem a colocar o instrumento de um ou outro lado do corpo obrigando a uma significativa contorção do dorso, tornava o instrumento ainda mais inacessível às executantes femininas. Note-se que ainda em 1930 o violoncelo era tido como um instrumento indecoroso para as mulheres, sendo então proibida a contratação de violoncelistas mulheres pela própria orquestra da BBC !


Em 1906 Suggia está em Paris e toca para Casals, que havia conhecido oito anos antes em Espinho, e com quem se tinha reencontrado em Leipzig, durante as visitas do catalão ao professor Julius Klengel. Nesse mesmo ano começa a partilhar com ele a mesma casa, a Villa Molitor, sendo famosos o convívio do casal com pintores, músicos, filósofos e escritores. O romance com Pau Casals, músico famoso, encheu as páginas dos jornais. O compositor húngaro Emánuel Moór dedicou-lhes o "Concerto para dois violoncelos".

Todavia em 1913 o casal separa-se de uma forma abrupta, possivelmente por motivos passionais. Guilhermina muda-se para Londres no ano seguinte e Casals casa-se com uma cantora norte-americana.


sábado, 31 de março de 2018

sexta-feira, 30 de março de 2018

HÁ HUMANOS QUE NOS TRATAM COMO BRINQUEDINHOS

.
Este é um pequeno exemplo de humanos que tratam a nós, felinos, como brinquedinhos. O que são essas risadinhas?  De debilóides, são uns retardados que não tiveram infância....E vou avisando para quem olhar o vídeo, NÃO tem graça...

terça-feira, 27 de março de 2018

NOVO INQUILINO

.
P.R., meu inquilino, me apareceu com esse gatinho aqui em casa.
Diz que quer adotar.
Bem, uma coisa já deixei bem claro prá ele.
Pode adotar, mas já pode procurar outro lugar prá morar....

sexta-feira, 9 de março de 2018

MEU CALENDÁRIO & FLAM

.Minha amiga Flam, de São Paulo, me acompanha há um bom tempo.
Para o meu calendário de 2017 montou essa interessante composição que apreciei muitíssimo.
O calendário de 2018 atrasou, ainda quero ver se sai.
Ando meio preguiçosa, mais relaxada, fazendo uma avaliação de minha vida.
Talvez notem isso.
Enfim, a vida tem fases e é preciso saber viver cada uma delas de acordo com o que oferece.   

quinta-feira, 1 de março de 2018

MARILY

.Essa é a Marily e mora em São Paulo.
P.R. convidou, a meu pedido,  para tirar férias em Pelotas mas a Flam, sua secretária, esclareceu que ela é pouco sociável, que morre de medo das pessoas.
Pois então, tá na hora mudar de ares, de me fazer uma visita que vamos sair por aí pelos telhados.

quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

MARIA CLARA

.Maria Clara acompanha o Neco Tavares, fotógrafo e artista plástico, em suas criações.

terça-feira, 27 de fevereiro de 2018

FILÓ

Filó, uma gatinha, está começando a estudar o terreno na casa da Marli.
Ficou de me manter inteirada do que acontece por lá.
Ainda é novinha mas já começa a ter um domínio da situação.
Logo, logo, esse domínio vai ser total e vai, então, ditar as regras.
E teremos mais uma inquilina na nossa relação. 

domingo, 18 de fevereiro de 2018

VIOLETA

.Amor sem apego, sensibilidade, equilíbrio, graça, ronronar reconfortante....O mágico e misterioso gato se liga ao céu e à terra, ao mundo selvagem e ao ambiente doméstico.
Nas palavras de Janice Weber isto é o que representam os gatos e, em especial, sua gata Violeta de 12 anos, que segundo diz é "arredia, escolhe meticulosamente seus amigos humanos e é feliz comigo"

sábado, 13 de janeiro de 2018

quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

A LIBERDADE DE IMPORTUNAR - Catherine Deneuve questiona a onda de acusações de assédio

Catherine Deneuve no filme "A Bela da Tarde"
Catherine Deneuve e 100 escritoras, artistas e académicas defendem que os homens devem ter “a liberdade de importunar”
A atriz francesa faz parte de um coletivo que inclui também Catherine Millet e Ingrid Caven e assinou uma carta aberta no Le Monde. Rejeitam um feminismo que “exprime ódio pelos homens” e insurgem-se contra “uma caça às bruxas”.

“A violação é um crime. Mas o flirt insistente ou inconveniente não é um delito, nem o galanteio é uma agressão machista.” Começa assim a carta aberta publicada esta terça-feira no jornal Le Monde. Com o título Defendemos a Liberdade de Importunar, Indispensável à Liberdade Sexual, foi assinada por 100 mulheres proeminentes em França, entre actrizes como Catherine Deneuve, que desde o ano passado se insurge em entrevistas contra esta nova realidade de denúncia de abusos, ou a alemã Ingrid Caven e escritoras como Catherine Millet, fundadora e editora da revista Art Press e autora de A Vida Sexual de Catherine M., bem como académicas. Um dia depois, as feministas francesas responderam.
É uma reacção a movimentos como #MeToo – e o equivalente francês, #BalanceTonPorc – e Time’s Up, que foi altamente visível na edição deste ano dos Globos de Ouro norte-americanos. São iniciativas que têm gerado cabeçalhos e tentado mudar mentalidades em Hollywood, mas, diz a carta, têm ido demasiado longe depois das acusações contra Harvey Weinstein.
“Era necessária” a “tomada de consciência das violências sexuais exercidas sobre as mulheres no quadro profissional, onde certos homens abusam do seu poder“, mas agora essa “libertação da palavra”, de mulheres começarem a não ter medo de falar, transformou-se no seu contrário, dizem. Forçam-se as pessoas a falarem da forma correcta e silenciam-se aqueles que não “caem na linha, e aquelas mulheres que se recusaram a vergar-se” a esta nova realidade “são vistas como cúmplices e traidoras”.
A carta, que fala de “uma onda de purificação puritana”, defende que “homens foram castigados e forçados a abandonarem os seus empregos quando tudo o que fizeram foi tocar no joelho de alguém ou tentar roubar um beijo”. Viram os seus nomes manchados por “falarem sobre temas íntimos durante jantares profissionais ou [por] enviarem mensagens com conteúdos sexuais a mulheres” que não foram recíprocas nesses avanços. É um movimento que alimenta um regresso à “ideia vitoriana de que mulheres eram meras crianças que tinham de ser protegidas”.
Quem pede aumentos salariais, escrevem, “não vai ficar traumatizada para sempre por um apalpador no metro”, algo que é um “não-evento”, mesmo que seja um crime. “As mulheres estão suficientemente conscientes de que o desejo sexual é por natureza selvagem e agressivo”. E também sabem “não confundir uma tentativa confrangedora de engatar alguém como um ataque sexual”. “Como mulheres, não nos revemos neste feminismo que, para além de denunciar o abuso de poder, transforma-se num ódio aos homens e à sexualidade“, dizem.
Dizem também que o facto de homens serem forçados a “confissões públicas” e a pedir desculpa por “comportamentos impróprios que podem ter acontecido há dez, 20 ou 30 anos” é uma lembrança demasiado próxima das “sociedades totalitárias”..

TANGO

Um dia Tango me apareceu na praia.
Cães de rua perambulam de um lado para o outro, em grande número, em condições miseráveis.
Tango estava num estado lastimável de infestação por sarna, sem pelos, praticamente só com a pele.
Fui então dando-lhe ração e água e procurando combater a sarna.
Demorou um tempo mas, finalmente, chegou o dia em que seu pelo foi se recuperando só ficando a descoberto uma parte que  dava a impressão de ter sofrido uma queimadura.
Essa queimadura passou a ser a sua marca registrada.
Logo a seguir de cão de rua passou a ser cão de pátio.
Como não moro na praia costumava vê-lo , quando não todos os dias, em dias alternados.
Adorava sair a caminhar comigo e eu com ele.
Uma noite de fim de ano, no entanto, cometi um erro do qual nunca me perdoo.
Deixei-o sozinho na casa, que é fechada na frente com tela, uma tela alta.
Quando fui vê-lo no outro dia já não o encontrei.
Tinha cavado um buraco por baixo da tela e se foragido certamente assustado com os fogos.
Procurei-o por um bom tempo, sempre buscando, além da sua aparência, pela marca da queimadura.
Em vão.
Desde então todo fim de ano lembro-me do ocorrido e fico profundamente triste.
E reforço meu convencimento de que os fogos devem acabar.
Prometi isto a mim mesmo e pela memória de Tango já que sei que a mim nunca vou perdoar. 

domingo, 10 de dezembro de 2017

Falujah, agradecendo o fim da guerra

.Falujah no culto muçulmano agradecendo o fim da guerra na Syria que trouxe tanta destruição e dor.
O número de mortos no conflito passa das 450 mil pessoas, sendo mais da metade de civis.  Mais de quatro milhões de sírios teriam buscado refúgio no exterior para fugir dos combates, com a maioria
destes tomando abrigo no vizinho Líbano. O conflito também gerou uma enorme onda migratória de sírios e árabes em direção a Europa, sem paralelo na história do continente desde a Segunda Guerra Mundial.

domingo, 12 de novembro de 2017

VIGILANTES NOTURNOS


- Psiu, está ouvindo Tari?
- Ouvindo o quê Loïck? Fica quieto senão não ouço
- É um som estranho...
- Não escuto nada, fica quieto, não me assusta...

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

UNICA LUZ

Acesse o áudio em nova aba   http://picosong.com/nF5h/


sábado, 9 de setembro de 2017

OS GATOS DE ISTAMBUL



Na cidade de Istambul, há mais do que apenas habitantes humanos.
Há também os gatos domésticos perdidos da cidade que vivem livres, mas têm relações com os moradores da região.
Este filme segue uma grupo de gatos com personalidades distintas.
No entanto, a realidade da metrópole antiga está mudando e existem cada vez menos lugar para os gatos viverem na cidade turca.

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

MEU AMOR BANDIDO

Meu Gato Pardo prestando assistência na oficina mecânica em que vive.
Faz muito tempo que não nos vemos.
Estava pensando em lhe fazer uma visita, mas não sei.
Talvez o momento de nosso amor tenha passado.
Meu coração, no entanto, vive essa dúvida.
Tenho medo de perde-lo para sempre.


quinta-feira, 3 de agosto de 2017

NA FILA PARA ENTRAR

Sueto, Syria, Mina, Loïck, Tari e Falujah aguardando a hora de invadir a casa.....

domingo, 30 de julho de 2017

ENTREVISTA COM CLEO




Após muitos contatos finalmente consegui agendar uma entrevista com Cleo. Uma entrevista curta porque ele não gosta de notoriedade. Detesta esta coisa de virar celebridade e revelou, nas poucas respostas que me deu, que lhe desgosta ter se tornado uma espécie de atração da rua. Já pensou em isolar-se no fundo da loja mas isto lhe tiraria o prazer que tem em ficar olhando o movimento e, além disto, tem uma espécie de trato de ficar ali. Quase só vê humanos ( quando não vê o enjoado de um vizinho  de uma loja ao lado ) mas isso o distrai. O vizinho do lado ao qual Cleo se refere é um outro gato, até bem parecido, que também fica parado na frente da loja. Tentei me aproximar dele mas, ao contrário de Cleo que é tranquilo, ficou muito irritado.
Mas, como disse, a entrevista foi curta.
Só me revelou, ainda, que gostaria de ter mais folga durante a semana e se queixou que dorme no banco da moto do dono da loja.
Incomoda-o, também , a plaquinha que leva no pescoço.
Sente-se como se fosse um gato-objeto
.

segunda-feira, 10 de julho de 2017

VISITA DO "DOGUINHO"

Olhem o "doguinho" que veio conhecer a Marina.
Aproveitou que o portão estava aberto, entrou, andou de um lado para o outro, cheirou, fuçou os resíduos orgânicos, enfim, fez tudo o que cachorros gostam de fazer quando estão soltos.
Fico imaginando se eu estivesse em casa.
Ia botar prá correr...
Mas fiquei com uma dúvida.... não seria um urso?

A carinha de "já entrei...."
Coisa sem graça, só cascas de frutas
                                                    Bem, vamos ver como está a água
                            Tudo muito bom, mas vamos noutro lugar ver se ainda acho um osso...

quinta-feira, 1 de junho de 2017

NOSSO AMOR

Nosso amor supera fronteiras e preconceitos.
Não importa o que pensem e, ademais, nem precisam saber.
Será um segredo só nosso.
Meu e teu, gatinha...
Te amo...
Gato Pardo.

segunda-feira, 29 de maio de 2017

DESCUBRA O QUE A POSIÇÃO DAS PERNAS QUANDO SE SENTA REVELA SOBRE SUA PERSONALIDADE


Numa conversa entre duas pessoas, a comunicação não-verbal tem uma importância que não se pode desconsiderar especialmente a linguagem das pernas na posição sentada.
Ter condição de ler de forma eficaz os sinais emitidos pelos interlocutores pode se mostrar de valia.

LEIA MAIS >>>
(aproveite para melhorar seu francês)

sexta-feira, 21 de abril de 2017

QUARTETO

.Clique para ampliar

quinta-feira, 20 de abril de 2017

terça-feira, 18 de abril de 2017

MANHÃ DE SOL

clique para ampliar

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Syria observando Tari

Enquanto a Tari controla o movimento no telhado do intruso Finnegans, intimidando-o para não descer, a Syria observa do alto
A Tari rosna e, ao que parece, deu certo pois, decorridos uns minutos, tudo voltou ao normal.
Enquanto isto Sueto, a quem se supõe destinava-se a visita, parece que nem se deu conta.
Nada como um pequeno incidente para quebrar a rotina.

segunda-feira, 20 de março de 2017

POR UM OUTRO FEMINISMO - ATRIZES FAMOSAS FOTOGRAFAM SEM MAQUIAGEM E SEM PHOTOSHOP

Carolina Dieckmann 
Chega! Cansadas, elas deram um basta na ditadura da beleza e se mostram como verdadeiramente são no projeto “Essa Minha Mulher”, idealizado pelo fotógrafo Elvis Moreira em parceria com o produtor teatral Léo Fuchs. A dupla reúne registros em preto e branco em um site (www.essaminhamulher.com) que destaca a sensualidade de famosas sem Photoshop, maquiagem e cachê.
“A beleza perfeita não existe e as pessoas se identificam com o que é de verdade. O sensual é tudo aquilo que a gente não vê”, avalia Moreira, que posta uma foto por dia (no Instagram), com uma legenda escolhida pela modelo.
Segundo Fuchs, elas costumam ser fotografadas em casa “para captar a essência”: “A ideia é mostrar as mulheres que elas são e que muitas vezes escondem. Ainda queremos lançar um livro e uma exposição [com as fotos]”.
Deborah Secco está entre as clicadas em momentos de intimidade e admite já ter cometido loucuras na busca pela perfeição. Mais madura, aos 36 anos, está aprendendo a se aceitar como é.
“Fiz dietas malucas, passei fome, coloquei silicone, quis ter as pernas mais grossas… Hoje vejo que tudo isso foi bobagem. A sociedade fez com que, nós mulheres, fôssemos tentando nos enquadrar em um padrão cruel e impossível de beleza. Temos que nos amar como somos. E somos reais!”, pontua a atriz.
Com Preta Gil, as consequências por tentar seguir esse modelo padronizado foram físicas e psicológicas: “Eu sempre me amei, mas quando engordei, aos 22 anos [ela tem 42], senti na pele o preconceito com as mais cheinhas. Caí na armadilha e emagreci muito, com o uso de remédios, lipo… Depois desse processo, entrei em depressão. Quando me libertei, engordei e passei a me sentir mais eu, feliz e de verdade”.
O fato de aparecer “sem holofote, como se o espectador pudesse ver através do buraco da fechadura”, foi o que motivou Carolina Dieckmann a embarcar nessa. Sem neuroses, ela diz que não se deixa levar por pressão.
“Eu sempre gostei de ser magrinha porque acho mais bonito. Mesmo quando a moda vai nessa maré da mulher gostosa, musculosa, eu nado contra”, diz ela, recentemente criticada por estar “seca” demais.
FONTE:http://www.osul.com.br/mulheres-famosas-finalmente-se-deixaram-fotografar-sem-photoshop-e-sem-maquiagem/

segunda-feira, 13 de março de 2017

Elisabeth Badinter, investigando o papel da mulher

Elisabeth Badinter é uma das autoras dedicadas ao tema do feminismo mais respeitadas, autora, entre outros livros, de "O Mito do Amor Materno" uma referência hoje fundamental sobre o tema. Desenvolve uma linha própria e, em alguns aspectos ( ou vários) diferenciada do que, comumente, se considera o pensamento feminista predominante e tido, talvez de forma apressada, como "oficial".
Em algumas questões suas posições são particularmente desafiadoras como ao criticar o que denomina de "feminismo de vitimização".
Segunda a pensadora, "a fabricação da mulher vítima, pela qual, por ser mulher ela forçosamente é vítima, acho que é um desastre".
Seu pensamento, portanto, merece ser considerado ao menos por problematizar formas de teorizar o feminismo e por provocar, pelo seu olhar crítico, um entendimento talvez menos apressado, mais amadurecido.


sexta-feira, 3 de março de 2017