quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Conquistando nosso lugar na casa


Graças à Francy que pedala , se dedica à decoração e , o mais importante, tem um gato chamado Sushi , encontrei em seu blog exemplos de uma tendência mais recente de se criar para felinos, que vivem em ambientes pequenos e confinados, diversos tipos de estruturas aéreas do tipo passarelas e estantes. Confesso que tendo à minha disposição uma casa bem ampla e, além disto, um terraço e um extenso telhado antigo, não posso ver nestas estruturas senão uma tentativa de criar sucedâneos para o nosso instinto natural e ancestral de procurarmos lugares altos. Alguns, no entanto, são bem interessantes e podem se adequar bem a certas situações. Na estrutura acima, por exemplo, fica bem marcada a relação de superioridade entre os dois felinos. Eu poderia, no caso, me acomodar na gôndola de cima enquanto a de baixo concederia que Gaza ou Faluja ocupassem. Já na situação abaixo
a prateleira suspensa me permitiria ditar ao meu "ghost-writer" meus textos enquanto me deixo ficar recostada. Bem cômodo e nem um pouco excessivo para os meus valiosos dotes de escritora. Para os felinos que quiserem conhecer outras "invenções" deste tipo, até para que os humanos as aperfeiçoem , podem iniciar visitando o blog da Francy.

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Sinal de Fogo

Definitivamente nós, os felinos, nunca chegaremos a entender plenamente os humanos. Acompanho pelo meu "ghost-writer" algumas discussões que mantêm entre eles até porque gosta de saber minha opinião.
Mas há questões que fica difícil para uma gata ter opinião. A questão do cigarro, por exemplo.
Meu "dono" ( apenas para empregar esta denominação falsa que é usual) não fuma, aliás ninguém fuma nesta casa, nem chega por perto. Apenas um empregado antigo da casa e fumantes eventuais, quase sempre pessoas que vêm por algum tempo executar algum serviço. A única impressão com que fiquei é a de uma coisa meio exótica presa aos lábios da qual ao mesmo tempo inalam e expelem fumaça. E a semelhança que consigo encontrar é com o fogão a lenha que acendemos no inverno. Será que fumam para se aquecer? Creio que não pois, se fôsse assim, porque fumariam também no verão? Aliás, fumam o tempo todo, fumam quando estão parados ou caminhando, fumam quando estão comendo, conversando, no quarto, na sala, no banheiro, para onde vão arrastram consigo um pacote repleto de cigarros e alguma coisa com que possam acender fogo. De alguns se tem se impressão que fumam desde criança e o terrível, segundo meu "ghost-writer", é que em vários casos este é exatamente o caso. Ou então fumam, caso da maioria, desde a adolescência. Ou seja, dificilmente alguém passa a fumar na idade adulta o que permite concluir do grau de imaturidade do vício e da dependência prematura que cria .
Se por alguns momentos se vêem impedidos de fumar, ficam contrariados, irritados, parece que alguma coisa essencial à vida lhes foi vedada.
A maioria também quase sempre fumou onde bem entendesse, nas salas de aula, nos elevadores, nos coletivos, nos cinemas, nos teatros, para não citar alguns ambientes onde seria impensável a prática de um hábito tão anti-social. Apenas uns poucos ( mais educados?) pediam licença quando desejavam fumar em um local na presença de outras pessoas. Este pedido quase sempre , no entanto, era uma mera formalidade pois , nem bem o formulavam, já estavam com o cigarro aceso na boca.
Agora com a tendência mundial de estabelecer regras para o emprego do fumo, os fumantes parecem ter se acordado que a sua prática não é tão bem vista nem tão charmosa quanto sempre imaginaram. Pelo contrário passa a prevalecer, por mais que procurem ressaltar seu charme e seu encanto, a idéia de que é uma prática irracional, abusiva em muitos casos e contrária ao direito de se ter uma sociedade menos poluída , física e espiritualmente, começando pelos próprios indivíduos em seus hábitos.
É claro que não se pode, neste momento, esquecer aspectos das liberdades individuais . O que não seria o caso, é bom ressaltar, do que aparentemente reivindica o presidente Lula ao afirmar , em declaração à imprensa ( que não quis que fôsse fotografada) que em seu gabinete nada vai impedí-lo de fumar.
O gabinete presidencial, caso Lula não tenha se dado conta, não é um espaço privado como seria a sua casa, mas um ambiente funcional, de trabalho. Sutileza que parece não ter percebido.
Seria mais a situação de preservar, por mais que às vezes possam parecer esdrúxulas, o direito do cidadão optar por práticas que lhe dão satisfação. A definição, no entanto, de quais são estas práticas e que em extensão podem ser permitidas, especialmente quando geram implicações de repercussão social e de saúde pública, é uma questão que pode provocar polêmica. Exatamente a polêmica que, ao que parece, está estabelecida neste momento, por força principalmente de quão enraízado tornou-se o vício de fumar.
E que eu, como simples felina que sou, não sei se chegarei a entender inteiramente.
Fumaça para mim é sinal de fogo. Meus antepassados, os gatos primitivos, ao sentirem sua presença, davam-se conta imediatamente de que poderiam estar em perigo por se tratar de um incêndio na floresta. Incêndios, aliás, um número sem conta de vezes provocado por "inocentes" cigarros acesos jogados no campo.
Fumaça na natureza é, assim, quase sempre sinônimo de advertência.
Mas como os humanos tem a ilusão de terem deixado para trás suas origens, tornaram-na quando produzida por um cigarro aceso , uma espécie de símbolo de glamour e inspiração superiores e sublimes.
Prefiro assim, sem ter como adentrar nesta lógica hedonista, me voltar para minhas reflexões felinas.