sábado, 6 de agosto de 2011

A Estética do Frio


Nossa vida, em muitos aspectos, já vem predeterminada. Pelos pais, pela família, pelo ambiente econômico, social e cultural. E também pelo ambiente natural.
Sueto foi encontrada, conforme já relatei, em uma estrada, ainda com os olhos fechados, junto com dois irmãos. Um morreu, o outro, Mandela, foi adotado. Sueto, portanto, é órfã. 
No tocante ao ambiente natural, por ter nascido no sul, é preciso durante o inverno enfrentar o frio.
Sueto, no entanto, já desenvolveu sua forma própria de conviver com ele.
Nos dias ensolarados sobe para o telhado onde já tem um local preferido para ficar.
Caso contrário, refugia-se nos arredores da lareira ou do fogão de lenha. De preferência em um sofá que fica perto do fogo da lareira ou, o mais costumeiro, encostada do seu lado externo , bem juntinha dos tijolos aquecidos.     
Falujah por sua vez também descobriu o fogo. Optou por ficar na frente da lareira. E cada uma enrolada sobre o seu pano velho pois, do contrário, relutam em ficar.
Não sei se Victor Ramil , que foi buscar sua inspiração criadora na estética do frio, fala dos gatos. Mas Sueto já me perguntou sobre ele, preciso ler para ela alguns trechos de Satolep.

.

2 comentários:

  1. Vitor Ramil é inspiração pura!
    Sueto é antenada!

    ResponderExcluir
  2. ... antenada demais ... ultimamente anda com umas leituras que não foram sugestões minhas ...
    Uma delas é Bakunin...
    "Leia", ela me disse, " você vai gostar". Agora é ela que me faz sugestões de leitura...

    ResponderExcluir